Em VIDA CRISTÃ COTIDIANA, quero dialogar sobre a prática dos ensinamentos de Jesus nos acontecimentos simples e rotineiros do dia a dia. Ótima leitura!

4 de setembro de 2013

Lições de uma poetisa




          Em uma noite qualquer de 2009, totalmente sem sono, peguei o controle da televisão e comecei a passear pelos canais a procura de algo interessante para assistir. Encontrei uma entrevista no Globo News com a poetisa Adélia Prado. Só a conhecia das citações nos livros de Rubem  Alves. Como ela é culta e simples ao mesmo tempo! A sua fala prendeu a minha atenção, fiquei grudada na tela sorvendo a sua sabedoria de vida. Fui me envolvendo com o discurso inteligente e profundo daquela mulher que nem vi o tempo passar. De tudo o que ouvi, duas coisas me chamaram a atenção: “Existe uma mendicância do amor. O ser humano quer ser amado”, disse Adélia. Lembrei-me na hora das crianças do Centro Social na periferia de Sobral onde fui coordenadora. Assim que eu chegava vinham ao meu encontro várias crianças, me abraçavam e iam logo perguntando: “Tia eu já tenho madrinha?”  Eu ficava muito triste quando tinha que responder que não. Ter madrinha ou padrinho afetivo significava ser amado, lembrado, presenteado, querido, e isso, na vida de uma criança que mora na periferia, esquecida do poder público, em situação de vulnerabilidade faz uma enorme diferença. Todos nós somos carentes de afeto, e não devemos permitir que a nossa agenda super lotada venha nos privar, de receber e dar carinho. Meu sogro costuma dizer no púlpito da igreja: “ Um abraço pode curar”. Mas temos tido tempo para um abraço?
          O mais precioso  Adélia deixou para falar no final da entrevista. Ao responder a pergunta do entrevistador, ela revelou o porquê  da sua   alma ser linda. “O que mais você quer da vida”, foi a pergunta. Ela respondeu: “ Que todos tenham um encontro transformador com Jesus.”
          Só Jesus transforma “ pranto em dança,”  disse Henri Nouwen. Vi muitas crianças terem suas vidas transformadas lá na periferia, onde a sociedade não enxerga. A esperança passou a brilhar nos olhinhos de muitas delas que conseguiram ver além da pobreza extrema. Hoje fico feliz quando escuto que alguns estão na faculdade, trabalhando e servindo a Cristo. O encontro com Jesus é transformador, já não precisamos mendigar por carinho, pois o amor do Senhor é suficiente para dar sentido à nossa vida.
Sábia Adélia, que o desejo dela vire realidade – “Que todos tenham um encontro transformador com Jesus.”