15 de novembro de 2016

AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO - OUTONO (RESUMO)




O cair das folhas é uma analogia oportuna com o que acontece na estação do outono no casamento. No inicio do outono, o casamento parece maravilhoso visto de fora. Mas, dentro do casamento, as coisas estão mudando. E quando os ventos frios chegarem, então, a deterioração do casamento poderá ser vista por todos. O outono passa a ser o prelúdio do inverno. Como acontece com as outras estações do casamento, o outono tem um conjunto próprio de emoções, atitudes e ações.
As emoções do outono
As emoções do outono incluem sentimentos de tristeza, apreensão e rejeição, às vezes acompanhados por um sentimento de vazio emocional. O casal na época do outono está ciente de que as coisas não estão bem, embora esteja ou não expressando esses sentimentos um ao outro. Todavia, eles estão incomodados com a situação de seu relacionamento.
Algumas vezes, o outono vem logo no inicio de um casamento.
As emoções comum em um casamento que encontra-se no outono são: medo, tristeza, rejeição e solidão. Essas emoções também podem vir acompanhadas por sentimentos de depressão, falta de estima e ressentimento para com o cônjuge.
As atitudes do outono
A principal atitude da estação do outono no casamento reside em uma grande preocupação com a situação do casamento e na incerteza com relação ao rumo que as coisas estão tomando.
A maioria das pessoas não quer estar na estação do outono no casamento; em virtude disso, elas se preocupam. Elas reconhecem que estão ocorrendo muitas mudanças e, portanto, se sentem pouco à vontade com o que talvez esteja acontecendo em seu relacionamento. 
As ações do outono
Nesta seção, vamos discutir as ações que levam casais à estação do outono no casamento e as ações que os desencaminham. Sem dúvida, a primeira ação que contribui para a estação do outono no casamento é – de forma esmagadora – a negligência, ou não fazer nada.
A suposição implícita parece ser a de que o casamento se encarrega de si mesmo. Marido e esposa têm os próprios interesses à parte e se esquecem de fazer os tipos de coisas que criam um relacionamento conjugal positivo. Por essa razão aos poucos eles se afastam um do outro.
Sem dúvida, a negligência é o que leva os casais à estação do outono no casamento. Quando o marido e a esposa deixam o relacionamento à deriva, os dois sempre se afastam um do outro. Quando eles se distanciam, a vida fica incerta e assustadora.
Talvez venham a bater contra a realidade de que seu casamento está na estação do outono por causa de alguma crise, como um caso extraconjugal, mas na verdade é que eles estavam na estação do outono havia semanas – talvez meses – antes que a crise viesse à tona.
As folhas mudaram de cor e, lentamente, caíam dos galhos, mas eles não reconheceram isso porque não estavam em sintonia um com o outro. A resposta deles à crise vai empurrá-los para o inverno ou vai levá-los novamente para a primavera.
Quando percebem que estão na estação do outono no casamento, os casais têm uma escolha: eles podem fazer coisas positivas que levem novamente à primavera ou verão, ou podem fazer escolhas destrutivas que levem ao inverno e possivelmente ao fim do casamento.
Uma das ações que perpetuam o outono ou levam ao inverno é não procurar resolver os problemas.
Clima do relacionamento
Afastamento, desprendimento - Na estação do outono os casais sentem que algo está acontecendo, mas não sabem ao certo o que é. Há  uma sensação de desunião. Um dos cônjuges ou ambos começam a se sentir abandonados. Os casais percebem a existência de alguns problemas que eles não estão enfrentando com honestidade. Parece que estão separados emocionalmente, e cada um tem a tendência de culpar o outro. Se eles ficarem na estação do outono por determinado tempo, os amigos e familiares talvez estejam reparando nas mudanças. 
Aproveitando ao máximo o outono
No último estágio do outono, as folhas se vão e o vazio do relacionamento fica visível. É esse vazio emocional que causa preocupação, incerteza e medo. A consciência amanhecente da separação, com frequência, motiva um dos cônjuges ou ambos a procura ajuda. Talvez eles concordem em participar de um seminário para casais, procurar a ajuda de um conselheiro ou ler e discutir um livro sobre casamento.
Uma jovem esposa disse certa vez: “Nunca pensei que faria aconselhamento, mas estou tão preocupada com o que está acontecendo em nosso casamento. Sei que precisamos de ajuda e não quero esperar até que seja tarde demais”.
As incertezas do outono podem revelar-se uma tábua de salvação se o casal se voltar para a direção certa.
O outono pode levar diretamente à primavera ou a uma volta ao verão. Todavia, se os casais simplesmente deixarem que “a natureza siga seu curso”, inevitavelmente despertarão no inverno. 
Estratégia para remover o casamento do outono
Desenvolva o impressionante poder de ouvir com empatia
Falar e ouvir – parece tão simples. Se é assim, então por que, ao responderem em uma pesquisa à pergunta: “Por que seu casamento fracassou?”, 80% dos indivíduos divorciados disseram: “Falta de comunicação”?
Teria sido possível salvar e restaurar esses casamentos? Acredito que a resposta seja afirmativa – se os casais tivessem aprendido alguns padrões de comunicação positivos. A chave para melhora a comunicação com o cônjuge está em desenvolver o poder de ouvir com empatia.
Empatia significar entrar no mundo da outra pessoa, procurar se pôr no lugar dela e ver o mundo pela perspectiva dela.
Um marido empático procura entender o que a esposa está experimentando – seus pensamentos, sentimentos e desejos. E o mesmo acontece com uma esposa empática com relação ao marido. Ela procura entender os sonhos, as esperanças, os medos dele.
Ouvir com empatia encoraja outras pessoas a conversarem, porque elas sabem que serão ouvidas.
Dicas para ouvir com empatia
PRIMEIRO: Uma das características da atitude de ouvir com empatia é desenvolver uma atitude genuína de compreensão.
Por natureza somos todos egocêntricos. O mundo gira ao meu redor. A maneira pela qual eu penso e me sinto é a questão mais importante. Damos um grande passo rumo à maturidade sempre que optamos por desenvolver uma atitude de empatia – buscando sinceramente entender os pensamentos e sentimentos de outra pessoa.
Pedro desafia principalmente os homens quando escreve aos maridos: “Vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade” (1 Pe.3.7).
SEGUNDO: Outro importante aspecto da atitude de ouvir com empatia é optar por guardar nosso julgamento sobre as ideias de nosso cônjuge.
Aqui, mais uma vez, talvez precisemos mudar radicalmente nosso modo de pensar. Afinal, guardamos opiniões sobre quase tudo e estamos convencidos de que nossa perspectiva está correta. Do contrário, mudaríamos nossos pontos de vista, não é? Mas quando dizemos: “Minha maneira de ver a situação é como ela é”, estamos deixando de reconhecer que nosso cônjuge pensa a mesma coisa acerca de suas próprias opiniões.
Visto que nós dois somos egocêntricos, muitas vezes temos opiniões divergentes sobre a mesma situação. Isso simplesmente faz parte do ser humano e do estar casado. Os cônjuges com frequência vêem as coisas de modo muito diferente.
TERCEIRO: A terceira característica da atitude de ouvir com empatia é a mais importante e, contudo, também a mais difícil: aceite seu cônjuge mesmo quando você não concorda com as ideias dele.
Como fazer isto? Aceitando seu cônjuge pelo fato de ele compartilhar suas ideias e sentimentos com você. Em outras palavras, você expressa sua gratidão ao cônjuge por ele mostrar-se aberto e sincero com você.
A afirmação é um grande passo que vai além do simples fato de guardar o julgamento. Ao aceitar seu cônjuge verbalmente, você lhe dá a liberdade de ter ideias diferentes das suas e ter sentimentos que você não teria em uma mesma situação.
QUARTA: O auge da atitude de ouvir com empatia é compartilhar as próprias ideias só quando seu cônjuge se sentir compreendido.
Por natureza, somos rápidos em dar nossas ideias. Na verdade, uma pesquisa mostra que a pessoa comum escuta o que a outra diz por dezessete segundos antes de interrompê-la para dar as próprias ideias sobre o assunto.
Na pior das hipóteses, isso consiste em ouvir de modo egocêntrico e raramente resulta em uma conversa produtiva. Entretanto, ouvir com empatia cria um clima positivo no qual é quase certo que seu cônjuge vai querer ouvir o que você tem a dizer.

Quando seu cônjuge se sentir compreendido, em vez de censurado ou reprovado, ele ficará muito mais aberto para ouvir seu ponto de vista. Ouvir com empatia estimula sentimentos positivos. O erro mais comum em grande parte das conversas conjugais é a ação de expressar de forma precipitada as ideias. Tal comportamento quase sempre acaba em discussões inúteis, que deixam o casal mais afastado um do outro e o casamento preso no outono.    

AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO - VERÃO (RESUMO)



Diversão também é o tema de um casamento no verão. A vida é bela. Estamos colhendo os benefícios de nossos duros esforços para entendermos um ao outro e trabalharmos juntos como uma equipe para ver os sonhos da primavera realizados.
A expectativa da primavera transformou-se na realidade do verão. O entusiasmo inicial talvez tenha esmorecido, todavia aumentou a sensação de que estamos conectados um no outro. Temos menos mal-entendidos, e quando os temos, as soluções aparecem mais rapidamente.
Podemos ou não ter atingido nossas metas financeiras. Podemos ou não ter filhos. Podemos ter uma boa saúde ou não. Nossas férias podem ser satisfatórias ou frustrantes. Mas, se nosso casamento estiver na estação do verão, compartilharemos um profundo senso de compromisso e satisfação. E nos sentimos seguros no amor de um pelo outro.
Então quais são as emoções, atitudes e ações que estimulam e sustentam a estação do verão em um casamento?
As emoções do verão
O verão é caracterizado por sentimentos de felicidade, satisfação, realização, paz, alegria, conforto e conexão. Um casal que está no verão vive estas emoções.
As atitudes do verão
Os casais que conseguem ter uma estação prolongada de verão no casamento são os que aprenderam a preservar o que alcançaram. Eles reconhecem que a estação do verão não vem sem que tenham preparado a terra, plantado as sementes e cultivado o casamento.
Agora que estão desfrutando da beleza do verão, marido e esposa querem preservá-lo e, por isso, têm uma atitude de trabalho e crescimento. Eles querem continuar a crescer.
O verão não corresponde à perfeição, significa que os casais têm nessa estação senso de realização e desejo de continuar a crescer. A maioria dos casais percebe que é preciso trabalhar para chegar a essa condição. Apresentam uma atitude positiva com relação ao casamento, gostam de seu cônjuge e pretendem continuar a “regar as flores”. Essas atitudes levam a ações positivas, que mantêm a alegria de verão.
As ações do verão
Em um casamento no verão, o clima emocional cálido produz ações positivas. O ambiente está tranquilo. Entendemos melhor nosso cônjuge, aceitamos as diferenças um do outro e aprendemos a resolver nossos conflitos.
Embora a vida esteja cômoda, ainda queremos fazer algumas coisas positivas para “regar as flores” em nosso casamento no verão.
Vejamos algumas ações de um casamento que se encontra no verão:
Comunicação construtiva
A comunicação construtiva é um importante componente de um casamento no verão. Os casais que mantêm uma comunicação aberta também chegaram a soluções práticas.
Aceitando as diferenças
Uma segunda ação importante para manter o casamento no verão é dar um ao outro a liberdade de ser diferente. As diferenças são inevitáveis, além disso, podem causar muitas discórdias.  Marido e mulher que desejam continuar na estação do verão darão, conscientemente, um ao outro a liberdade para pensar, sentir e reagir de modo diferente.
Seminários e livros
Uma terceira medida comum entre casais que descrevem seu casamento situando-os na estação do verão é participar de seminários sobre casamento e buscar livros relacionados ao tema.
Crescimento espiritual
Muitos casais mostraram que o fator mais significativo para que pudessem ter um casamento no verão é que eles encontraram formas para estimular o crescimento espiritual. 
Uma vez que Deus instituiu o casamento, é perfeitamente compreensível ver casais que procuram aprender com ele ter o melhor casamento possível. Pesquisas mostram que isso é um fato.

Clima do relacionamento
Confortável, unido, que dá apoio, compreensivo. Na estação do Verão no casamento, os sonhos da primavera se concretizam. Eles resolvem conflitos de modo positivo. Tendo aceitado suas diferenças, procuram transformá-las em recursos em prol do relacionamento. Marido e esposa têm uma crescente sensação de cumplicidade.

Permanecendo no verão
Todo casamento terá suas estações de verão, mas como os casais conseguem manter o casamento no verão? Os casais desejosos de continuar na estação do verão farão coisas construtivas, que resultam de emoções e atitudes positivas. Ex: ler bons livros, participar de seminários para casais,  orar juntos, ler a Bíblia, buscar ajuda quando necessário, ter um dia só para o casal, etc.
Lado negativo do verão
Em um casamento no Verão, aparecem conflitos não resolvidos que são empurrados para o ninho subterrâneo das nossas vidas. Quando o outro chega perto demais da boca do ninho, as vespas saem voando.



SLIDES - AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO - PRIMAVERA

Você também encontra por aqui o resumo













AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO - PRIMAVERA ( RESUMO)



É na primavera que começa a maioria dos casamentos, o entusiasmo de criar uma nova vida juntos que dá aos homens e mulheres a coragem para fazer uma aliança em um compromisso conjugal.

“Para amar e cuidar, na doença e na saúde, na pobreza e na riqueza, até que a morte nos separe”. Essas palavras soam a primavera. O que poderia ser mais emocionante do que a união de duas vidas para se ajudarem mutuamente a fim de cumprir os propósitos para os quais foram criadas? Sim, os casamentos começam na estação da primavera.

O casamento não é uma primavera vitalícia, mas podemos voltar ao otimismo, entusiasmo e alegria da primavera muitas vezes durante a vida. Como mencionamos anteriormente, as estações do casamento não são cronológicas, portanto a estação da primavera não é exclusivamente para os recém-casados. As estações repetem-se numerosas vezes ao longo de um casamento e, já que somos criaturas que têm o poder de escolha, podemos criar novos começos sempre que desejarmos.

Assim, com que se parece a estação da primavera no casamento?

As emoções da primavera

A primavera é caracterizada por sentimentos vivos e intensos, representados pelo entusiasmo, pela alegria, pela esperança e pela felicidade.

As atitudes da primavera

Na estação da primavera no casamento:
- Os cônjuges têm atitudes positivas com relação um ao outro e com relação à vida em geral.
- As atitudes comuns da primavera são de gratidão e de expectativa quanto ao futuro.
- Perceber-se a mudança como oportunidade para novos começos, e os casais na estação da primavera esperam plenamente aproveitar ao máximo essas oportunidades.

Na estação da primavera, os casais têm uma atitude otimista sobre o casamento.

Mesmo na estação da primavera, pode haver dificuldades, mas a atitude predominante é a de um crescimento esperado, e não de desespero.

Às vezes falamos do pessimista como uma pessoa que vê um copo meio vazio, enquanto o otimista o percebe meio cheio.
O pessimista diz: “Parece que vai chover”. O otimista afirma: “Pode chuviscar, mas acho que vai ser um belo dia”.
A estação da primavera é caracterizada por uma atitude de otimismo, mas ela é também acompanhada por uma atitude de gratidão.
Frases comuns:
“As coisas não estão onde eu gostaria que estivessem, mas tenho esperança no futuro. Sou grata pelo que tenho e quero que continuemos a crescer.”
“Quando vejo outros casamentos se desfazer, fico feliz por ver que ainda nos amamos e continuamos a aperfeiçoar nosso relacionamento.”
“Aprendemos a nos comunicar muito bem. Aprendemos que não temos de concordar em tudo. Mas nós nos amamos e este é o foco central, juntamente com nosso amor a Deus. Isso nos ajuda a superar qualquer diferença que tenhamos, pois concordamos mais do que discordamos. Sou muito grato pelo casamento que Deus nos deu”. 
A atitude de amor floresce lindamente na primavera.
Se for época de primavera em seu casamento, você estará conscientemente pensando em coisas que poderia fazer ou dizer para expressar o amor que sente por seu cônjuge.
Frases comuns:
“Todo dia é uma oportunidade de encontrar uma forma de viver meu amor pelo meu marido”.
“Amo tanto minha esposa que busco fazer aquilo que lhe agrada”.
“Meu marido é muito atencioso, e essa característica dele tem chegado até mim. Nós dois estamos muito cientes dos sentimentos um do outro e buscamos nos esforçar para cultivar nosso relacionamento. Nós nos amamos e queremos que isso continue vivo para sempre”.
A atitude da primavera também está alicerçada em uma atitude de confiança.
Confiança é acreditar que o cônjuge é uma pessoa íntegra – que ele ou ela lhe diz a verdade. Se seu casamento estiver edificado em um sólido fundamento de confiança, você terá certeza da fidelidade de seu cônjuge ao compromisso conjugal, escolhendo acreditar no que há de melhor em seu cônjuge, mesmo em circunstâncias incertas. A atitude de confiança traz senso de segurança.
Quando cultivamos as atitudes de otimismo, gratidão, amor e confiança da estação da primavera, desfrutamos do perfumado florescer da primavera em nosso casamento. Tais atitudes levam a ações positivas.
As ações da primavera
O relacionamento conjugal na primavera é caracterizado por novas atitudes e novas atividades. Procuramos formas de expressar nosso amor e estimular o entusiasmo em nosso relacionamento. Essas ações não são aleatórias – a atividade pela atividade – nem se concentram em si mesmas. O ponto principal está em trazer uma nova vida ao casamento e desenvolver o bem que já existe ali.
Nessa estação do casamento, o princípio guia é nutrir, que significa “alimentar”.
O objetivo das ações da estação da primavera é alimentar e nutrir o relacionamento conjugal. Ambos os cônjuges procuram fazer coisas que melhorarão a vida um do outro. Eles se perguntam: “Como isso afetará nosso relacionamento?” Se o casamento estiver na estação da primavera, ambos os cônjuges farão coisas para aprofundar o relacionamento e beneficiar um ao outro.
Frases comuns:
“Finalmente estabelecemos noites para namorar, para conversar ou fazer o que bem quisermos”.
“Estamos lendo livro sobre comunicação e casamento. Estamos participando de reuniões sobre como manter a saúde do casamento, e estamos pedindo a Deus que nos conduza em nossa vida e faça parte de nosso casamento”.
Para manter o casamento na estação da primavera é fundamental ações como:
- Cultivar
- Planejar
- Comunicar-se
- Procurar ajuda quando necessário
Clima do relacionamento
- Vital, afetuoso, aberto, atencioso.
- Os canais de comunicação estão fluindo.
- Há um sentimento de entusiasmo com a vida a dois.
- Os casais estão fazendo planos. Eles têm grandes esperanças para o futuro.
- Estão plantando sementes das quais esperam ter uma colheita de felicidade.
O lado negativo da primavera
Todo jardineiro deve tomar cuidado com as ervas daninhas, plantas que não são do nosso interesse.  Na primavera aparecem irritações conjugais, que não acabam com a estação, mas pode tornar a primavera menos agradável
Estratégia para manter o casamento na primavera
As cinco linguagens do amor
As cinco linguagens do amor são cinco formas para expressar o amor de modo emocional. Cada pessoa tem uma linguagem de amor fundamental a qual devemos aprender a falar, se quisermos que a pessoa se sinta amada.
Palavra de afirmação
Se a principal linguagem de amor de seu cônjuge são palavras de afirmação, as palavras de elogio e gratidão que você disser para ele cairão como chuva sobre a terra seca. Em pouco tempo, você verá nova brotando em seu casamento à medida que o cônjuge responder às suas palavras de amor.
Atos de serviço
Você se lembra do antigo ditado: “Falar é fácil, fazer é que são elas?” Para algumas pessoas, isso se aplica, sobretudo, ao amor. Se os atos que mostram serviço são a principal linguagem de amor de seu cônjuge, nada falará mais profundamente com ele do que simples atos que mostram serviço.
Presentes
Em toda sociedade ao longo da história, dar presentes é considerado uma expressão de amor. Presentear é algo universal, pois existe alguma coisa na psique humana que diz que, se você ama alguém, então dará algo a essa pessoa.
O que muitos não entendem é que, para alguns, receber presentes é a principal linguagem de amor. É o que as faz se sentir amadas da forma mais profunda. Se você está casado com alguém cuja principal linguagem de amor é dar presentes, você fará seu cônjuge se sentir amado e valorizado dando-lhe presentes em aniversários, dias comemorativos, aniversários de casamento e dias “normais”.
Os presentes não precisam ser caros ou sofisticados; é a intenção que conta. Mesmo algo tão simples como um cartão caseiro ou algumas flores alegres expressará seu amor pelo cônjuge. Pequenas coisas significam muito para uma pessoa cuja principal linguagem de amor é receber presentes.
Tempo de qualidade
Se a linguagem de amor do seu cônjuge é tempo de qualidade, dar-lhe toda sua atenção é uma das melhores maneiras pelas quais você pode demonstrar seu amor. Alguns homens orgulham-se em poder assistir à televisão, ler um revista e ouvir a esposa, tudo ao mesmo tempo.
Essa é uma característica admirável, mas não tem nada a ver com a linguagem de amor que envolve tempo de qualidade. Em lugar disso, você deve desligar a televisão, guarda a revista, olhar nos olhos de seu cônjuge e ouvir e interagir.
Para o cônjuge, ter vinte minutos de sua total atenção – ouvindo e conversando – é como recarregar por vinte minutos o tanque de amor dele.
Toque físico
Já conhecemos há muito o poder emocional do toque físico. É por isso que pegamos os bebês e os tocamos com carinho. Bem antes de entender o significado da palavra amor, o bebê se sente amado por meio do toque físico.
No casamento, a linguagem de amor que envolve o toque físico inclui tudo – desde o gesto de pôr a mão sobre o ombro de seu cônjuge enquanto vocês caminham, tocar a perna dele durante um passeio de carro ou andar de mãos, até se beijarem, se abraçarem e terem relações sexuais.
Se o toque físico for a principal linguagem de amor de seu cônjuge, nada expressará o amor mais claramente do que você tomar a iniciativa de estender a mão e tocar seu cônjuge.




5 de novembro de 2016

Resumo - "As quatro estações do casamento" - INVERNO



Você sabe em que estação está o seu casamento? leia e descubra
boa leitura!


INVERNO
Os casamentos no inverno caracterizam-se pela frieza, dureza e amargura.
- Os sonhos da primavera são cobertos por camadas de gelo, e a previsão do tempo alerta para chuvas mais frias.
- Se o marido e a esposa conversam, isso consiste simplesmente em logística: quem fará o que e quando.
- Se os dois tentam falar sobre o relacionamento conjugal, a conversar normalmente acaba com uma discussão que continua não resolvida.
- Alguns casais simplesmente vivem em um silêncio frio.
- Em essência, eles levam vidas independentes, embora vivam na mesmo casa.
- Os cônjuges culpam um ao outro pela frieza do relacionamento.
O que leva um casal à estação do inverno no casamento? Resumindo: a rigidez – a má vontade de considerar a perspectiva da outra pessoa e de se esforçar para chegar a um acordo significativo. Quando um ou ambos os cônjuges insistem na conhecida expressão: “É do meu jeito, senão nada feito”, eles estão levando o casamento para o inverno.
O inverno na vida conjugal pode durar um mês ou trinta anos. Pode começar três meses depois do casamento ou acontecer na meia-idade. Pode concentrar-se em uma área problemática ou compreender a vida inteira.
Como observamos anteriormente, cada estação do casamento vem acompanhada de certas emoções, atitudes e ações. A interação desses três fatores determina se o casal permanecerá em uma estação ou passará de uma estação para outra. Então, com que se parece a estação do inverno em um casamento?

As emoções do inverno
A dor, a raiva e a frustração, muitas vezes seguidas pela solidão e por um sentimento de rejeição, são algumas das emoções do inverno. Todas as emoções de um casal que se acha no inverno revelam a frieza, a dureza e a amargura que se agarram ao casamento.

As atitudes do inverno
As atitudes são a maneira pela qual pensamos no que – ou interpretamos o que – experimentamos na vida. Com frequência, falamos de pessoas que tem uma atitude negativa ou uma atitude positiva. Sobre a atitude, eu me refiro ao modo pelo qual uma pessoa normalmente responde às coisas que acontecem na vida. A estação do inverno no casamento é caracterizada por atitudes negativas.
No inverno temos a tendência de ver o pior. Percebemos os problemas como coisas grandes demais e as situações como coisas bem definidas. Imaginamos que as divergências demoram muito tempo e nunca podem ser resolvidas. Temos a tendência de culpar nosso cônjuge pelo fracasso de nosso relacionamento (“Se ele tivesse...”, “Se ela tivesse...”). Essas atitudes alimentam emoções que vão de um leve desânimo a uma total falta de esperança.

As ações do inverno
Nossa tendência natural no meio do inverno é evitar as intempéries o máximo possível. Quando o tempo esfria, ficamos dentro de casa para nossa própria sobrevivência e esperamos a temperatura aumentar ou a mudança de estação.
No inverno de um casamento, é possível que haja a tendência semelhante de “evitar as intempéries”. Os cônjuges podem recolher-se dentro de si mesmos, encolhendo-se e tentando sobreviver à fria estação, esperando a primavera, mas sem tomar certos passos positivos para levar seu casamento à primavera.
No entanto, ao contrário das estações do ano, as estações de um casamento normalmente não mudam sem alguma ação positiva – a menos que seja uma mudança de mal a pior.
Se você estiver passando pelo inverno no casamento, suas ações terão a tendência de provocar divisão e destruição. Consciente ou inconscientemente, o objetivo delas é magoar seu cônjuge.
- Palavras ásperas
- Atos violentos
- Afastamento
 - Silêncio

Clima do relacionamento
 Na estação de inverno no casamento, a comunicação oscila entre o silêncio e as discussões. Fazem-se criticas que ferem ainda mais o relacionamento. O abuso verbal, às vezes, leva ao abuso físico. A parte sexual do casamento torna-se um campo de batalha, e a infidelidade sexual pode desferir o golpe final no relacionamento conjugal.
 O casamento no inverno é, na verdade, frio, áspero e amargo. Por fim, os casais podem se distanciar emocionalmente e, às vezes fisicamente. É possível que durmam em quartos separados porque não querem estar próximos um do outro. Emocionalmente e sexualmente, eles já estão divorciados. Se os ventos cálidos da primavera não vierem logo, o casal poderá tomar medidas para se divorciar legalmente também.

O lado positivo do inverno
 Se estiver no inverno, o seu casamento pode parecer um caso perdido. Contudo, não desista. Assim, como a maioria das pessoas não se deitaria na neve para esperar a morte, não há razão para aceitar passivamente a frieza de um casamento invernoso.
 Existe uma saída, e ela começa com a esperança. O frio do inverno, muitas vezes, estimula um desejo de cura e saúde. É o doente que procura um médico e encontra cura. Com frequência, o casamento no inverno leva os casais a se desesperar a ponto de saírem de seu silencioso sofrimento e procurarem a ajuda de um conselheiro, pastor ou amigo de confiança. Aqueles que procurarem ajuda vão encontrá-la.
 Durante o processo de cura, os casais chegaram a experimentar o lado positivo do inverno. Muitas vezes são as provações da vida que produzem paciência e perseverança.
 Deus pode usar os invernos conjugais para o bem. Passar pela estação do inverno talvez nunca seja “legal” ou “emocionante”,... no entanto, quando os casais perseveram e começam a tomar medidas positivas para melhorar o casamento, eles saem mais fortes, mais comprometidos e mais aptos a superar as diferenças.
 Quando os fracassos do inverno são confessados e perdoados, o perdão dá espaço para o amor, e “o amor cobre multidão de pecados”. Ao estenderem o gesto de paz, mesmo em meio à dor e à alienação, inumeráveis casais descobriram que a cura profunda e uma intimidade até mais profunda são possíveis. As cicatrizes do fracasso servem para lembrar o pecado, uma necessidade desesperada de perdão e o poder de salvação de Deus.
 A boa noticia é que o perdão e o poder de Deus estão sempre à disposição daqueles que os buscam. Quando duas pessoas optarem por amar-se novamente, o gelo do inverno que começa a derreter regará as sementes da primavera, e o inverno terá cumprido seu maior objetivo.

Estratégia para remover o casamento do inverno
 Resolva as falhas do passado
 Lidar com as falhas do passado envolve três passos:

Passo nº 1: Identificar as falhas do passado
 O primeiro passo para lidar com as falhas do passado é identificá-las. E não é identificar as falhas do cônjuge, mas a suas próprias falhas. Devemos nos perguntar: “Em que eu errei para que meu casamento se encontre nessa situação?”
 A realidade é que a maioria de nós pode identificar as falhas de nosso cônjuge muito mais prontamente do que podemos identificar as nossas próprias falhas.
 Jesus descreveu o problema em Mateus 7.3-5. Se aplicássemos o seu ensino no casamento, ele passaria a ser algo assim:
 “Por que vês tu o argueiro no olho de teu cônjuge, porém não reparas na trave que está no teu próprio? (...) Tira primeiro a trave do teu próprio olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu cônjuge”.
 Se seu casamento está na estação do inverno, não fique lançando a culpa em seu cônjuge. Ore pedindo ao Espírito Santo que revele as suas falhas.

Passo nº 2: confissão e arrependimento
 Para que o casamento saia do inverno temos que confessar nossas falhas a Deus e ao nosso cônjuge.
 A palavra confissão significa “concordar com”. Portanto, ao confessar suas falhas e admitir ter magoado seu cônjuge, você está concordando com Deus que você errou. Está concordando que seu comportamento causou dor no cônjuge e entristeceu o coração de Deus.
 Arrependimento significa “virar e andar na direção oposta”. Ao arrepender-se de suas falhas e da dor que causou ao cônjuge, você está expressando para Deus seu desejo de ter uma conduta diferente no futuro. Está pedindo que o poder do Espírito Santo lhe permita amar  seu cônjuge como Deus intenta.
 As Sagradas Escrituras dizem: “Se confessarmos os nossos pecados [a Deus], ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo.1.9). Quando confessamos nossos pecados e nos arrependemos, Deus se dispõe plenamente a nos perdoar. E ele pode perdoar-nos porque Cristo foi castigado pelo nosso pecado.

Passo nº 3: Perdão
 O perdão não significar que você nunca mais pensará no que aconteceu, tampouco significar que você jamais sentirá a dor que acompanha a lembrança. O perdão significar que você não mais guardará aquela falha ou mágoa contra seu cônjuge. Como diz 1 Coríntios 13.5, o amor “não se ressente do mal”.
 O perdão significar que não trazemos à tona as falhas do passado. Quer dizer que reconhecemos que Cristo já foi castigado por nossos pecados. Quando confessamos e nos arrependemos diante de Deus e diante um do outro – e Deus nos perdoa – optamos por perdoar-nos uns aos outros.



Obs. Organizamos esse resumo (meu esposo, Pr. Célio jr e eu) Baseado no livro "As quatro estações do casamento" do Gary chapman, para ministrarmos no  nosso acampamento para casais, que aliás, foi uma bênção. Resolvi compartilhar para que outros casais sejam edificados. Estarei também disponibilizando os Slides. 



Li e gostei - MEMÓRIAS DE UM PASTOR ( Eugene Peterson)

"A igreja é composta de pessoas que, ao entrarem no templo, deixam para trás o rótulo ou a designação pela qual as pessoas da...