Em VIDA CRISTÃ COTIDIANA, quero dialogar sobre a prática dos ensinamentos de Jesus nos acontecimentos simples e rotineiros do dia a dia. Ótima leitura!

5 de novembro de 2016

Resumo - "As quatro estações do casamento" - INVERNO



Você sabe em que estação está o seu casamento? leia e descubra
boa leitura!


INVERNO
Os casamentos no inverno caracterizam-se pela frieza, dureza e amargura.
- Os sonhos da primavera são cobertos por camadas de gelo, e a previsão do tempo alerta para chuvas mais frias.
- Se o marido e a esposa conversam, isso consiste simplesmente em logística: quem fará o que e quando.
- Se os dois tentam falar sobre o relacionamento conjugal, a conversar normalmente acaba com uma discussão que continua não resolvida.
- Alguns casais simplesmente vivem em um silêncio frio.
- Em essência, eles levam vidas independentes, embora vivam na mesmo casa.
- Os cônjuges culpam um ao outro pela frieza do relacionamento.
O que leva um casal à estação do inverno no casamento? Resumindo: a rigidez – a má vontade de considerar a perspectiva da outra pessoa e de se esforçar para chegar a um acordo significativo. Quando um ou ambos os cônjuges insistem na conhecida expressão: “É do meu jeito, senão nada feito”, eles estão levando o casamento para o inverno.
O inverno na vida conjugal pode durar um mês ou trinta anos. Pode começar três meses depois do casamento ou acontecer na meia-idade. Pode concentrar-se em uma área problemática ou compreender a vida inteira.
Como observamos anteriormente, cada estação do casamento vem acompanhada de certas emoções, atitudes e ações. A interação desses três fatores determina se o casal permanecerá em uma estação ou passará de uma estação para outra. Então, com que se parece a estação do inverno em um casamento?

As emoções do inverno
A dor, a raiva e a frustração, muitas vezes seguidas pela solidão e por um sentimento de rejeição, são algumas das emoções do inverno. Todas as emoções de um casal que se acha no inverno revelam a frieza, a dureza e a amargura que se agarram ao casamento.

As atitudes do inverno
As atitudes são a maneira pela qual pensamos no que – ou interpretamos o que – experimentamos na vida. Com frequência, falamos de pessoas que tem uma atitude negativa ou uma atitude positiva. Sobre a atitude, eu me refiro ao modo pelo qual uma pessoa normalmente responde às coisas que acontecem na vida. A estação do inverno no casamento é caracterizada por atitudes negativas.
No inverno temos a tendência de ver o pior. Percebemos os problemas como coisas grandes demais e as situações como coisas bem definidas. Imaginamos que as divergências demoram muito tempo e nunca podem ser resolvidas. Temos a tendência de culpar nosso cônjuge pelo fracasso de nosso relacionamento (“Se ele tivesse...”, “Se ela tivesse...”). Essas atitudes alimentam emoções que vão de um leve desânimo a uma total falta de esperança.

As ações do inverno
Nossa tendência natural no meio do inverno é evitar as intempéries o máximo possível. Quando o tempo esfria, ficamos dentro de casa para nossa própria sobrevivência e esperamos a temperatura aumentar ou a mudança de estação.
No inverno de um casamento, é possível que haja a tendência semelhante de “evitar as intempéries”. Os cônjuges podem recolher-se dentro de si mesmos, encolhendo-se e tentando sobreviver à fria estação, esperando a primavera, mas sem tomar certos passos positivos para levar seu casamento à primavera.
No entanto, ao contrário das estações do ano, as estações de um casamento normalmente não mudam sem alguma ação positiva – a menos que seja uma mudança de mal a pior.
Se você estiver passando pelo inverno no casamento, suas ações terão a tendência de provocar divisão e destruição. Consciente ou inconscientemente, o objetivo delas é magoar seu cônjuge.
- Palavras ásperas
- Atos violentos
- Afastamento
 - Silêncio

Clima do relacionamento
 Na estação de inverno no casamento, a comunicação oscila entre o silêncio e as discussões. Fazem-se criticas que ferem ainda mais o relacionamento. O abuso verbal, às vezes, leva ao abuso físico. A parte sexual do casamento torna-se um campo de batalha, e a infidelidade sexual pode desferir o golpe final no relacionamento conjugal.
 O casamento no inverno é, na verdade, frio, áspero e amargo. Por fim, os casais podem se distanciar emocionalmente e, às vezes fisicamente. É possível que durmam em quartos separados porque não querem estar próximos um do outro. Emocionalmente e sexualmente, eles já estão divorciados. Se os ventos cálidos da primavera não vierem logo, o casal poderá tomar medidas para se divorciar legalmente também.

O lado positivo do inverno
 Se estiver no inverno, o seu casamento pode parecer um caso perdido. Contudo, não desista. Assim, como a maioria das pessoas não se deitaria na neve para esperar a morte, não há razão para aceitar passivamente a frieza de um casamento invernoso.
 Existe uma saída, e ela começa com a esperança. O frio do inverno, muitas vezes, estimula um desejo de cura e saúde. É o doente que procura um médico e encontra cura. Com frequência, o casamento no inverno leva os casais a se desesperar a ponto de saírem de seu silencioso sofrimento e procurarem a ajuda de um conselheiro, pastor ou amigo de confiança. Aqueles que procurarem ajuda vão encontrá-la.
 Durante o processo de cura, os casais chegaram a experimentar o lado positivo do inverno. Muitas vezes são as provações da vida que produzem paciência e perseverança.
 Deus pode usar os invernos conjugais para o bem. Passar pela estação do inverno talvez nunca seja “legal” ou “emocionante”,... no entanto, quando os casais perseveram e começam a tomar medidas positivas para melhorar o casamento, eles saem mais fortes, mais comprometidos e mais aptos a superar as diferenças.
 Quando os fracassos do inverno são confessados e perdoados, o perdão dá espaço para o amor, e “o amor cobre multidão de pecados”. Ao estenderem o gesto de paz, mesmo em meio à dor e à alienação, inumeráveis casais descobriram que a cura profunda e uma intimidade até mais profunda são possíveis. As cicatrizes do fracasso servem para lembrar o pecado, uma necessidade desesperada de perdão e o poder de salvação de Deus.
 A boa noticia é que o perdão e o poder de Deus estão sempre à disposição daqueles que os buscam. Quando duas pessoas optarem por amar-se novamente, o gelo do inverno que começa a derreter regará as sementes da primavera, e o inverno terá cumprido seu maior objetivo.

Estratégia para remover o casamento do inverno
 Resolva as falhas do passado
 Lidar com as falhas do passado envolve três passos:

Passo nº 1: Identificar as falhas do passado
 O primeiro passo para lidar com as falhas do passado é identificá-las. E não é identificar as falhas do cônjuge, mas a suas próprias falhas. Devemos nos perguntar: “Em que eu errei para que meu casamento se encontre nessa situação?”
 A realidade é que a maioria de nós pode identificar as falhas de nosso cônjuge muito mais prontamente do que podemos identificar as nossas próprias falhas.
 Jesus descreveu o problema em Mateus 7.3-5. Se aplicássemos o seu ensino no casamento, ele passaria a ser algo assim:
 “Por que vês tu o argueiro no olho de teu cônjuge, porém não reparas na trave que está no teu próprio? (...) Tira primeiro a trave do teu próprio olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu cônjuge”.
 Se seu casamento está na estação do inverno, não fique lançando a culpa em seu cônjuge. Ore pedindo ao Espírito Santo que revele as suas falhas.

Passo nº 2: confissão e arrependimento
 Para que o casamento saia do inverno temos que confessar nossas falhas a Deus e ao nosso cônjuge.
 A palavra confissão significa “concordar com”. Portanto, ao confessar suas falhas e admitir ter magoado seu cônjuge, você está concordando com Deus que você errou. Está concordando que seu comportamento causou dor no cônjuge e entristeceu o coração de Deus.
 Arrependimento significa “virar e andar na direção oposta”. Ao arrepender-se de suas falhas e da dor que causou ao cônjuge, você está expressando para Deus seu desejo de ter uma conduta diferente no futuro. Está pedindo que o poder do Espírito Santo lhe permita amar  seu cônjuge como Deus intenta.
 As Sagradas Escrituras dizem: “Se confessarmos os nossos pecados [a Deus], ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo.1.9). Quando confessamos nossos pecados e nos arrependemos, Deus se dispõe plenamente a nos perdoar. E ele pode perdoar-nos porque Cristo foi castigado pelo nosso pecado.

Passo nº 3: Perdão
 O perdão não significar que você nunca mais pensará no que aconteceu, tampouco significar que você jamais sentirá a dor que acompanha a lembrança. O perdão significar que você não mais guardará aquela falha ou mágoa contra seu cônjuge. Como diz 1 Coríntios 13.5, o amor “não se ressente do mal”.
 O perdão significar que não trazemos à tona as falhas do passado. Quer dizer que reconhecemos que Cristo já foi castigado por nossos pecados. Quando confessamos e nos arrependemos diante de Deus e diante um do outro – e Deus nos perdoa – optamos por perdoar-nos uns aos outros.



Obs. Organizamos esse resumo (meu esposo, Pr. Célio jr e eu) Baseado no livro "As quatro estações do casamento" do Gary chapman, para ministrarmos no  nosso acampamento para casais, que aliás, foi uma bênção. Resolvi compartilhar para que outros casais sejam edificados. Estarei também disponibilizando os Slides. 



Nenhum comentário: